HISTÓRIA QUEIMADA

O fogo destruiu o 5° maior acervo mundial, levando consigo parte importante da História da humanidade, como o fóssil de 12 mil anos de Luzia. O Brasil ainda perdeu o prédio de assinatura da independência nacional, o documento de assinatura da Lei Áurea e o 1° jornal impresso do mundo.

A política de austeridade fiscal de Temer abandona projeto de futuro do país e desconstrói a memória de passado do brasileiro. Com cortes constantes no orçamento das universidades, a gestão do Museu Nacional era feita até por vaquinha virtual. Agora o incêndio acabou com o Museu.

“Para a ex-secretária de Cidadania e Diversidade Cultural do Ministério da Cultura Ivana Bentes, não é possível atribuir à tragédia a um suposto “descaso” da UFRJ. “Não existe política pública para manter e conservar nosso patrimônio. É o mesmo descaso com o patrimônio, a pesquisa, a ciência e tudo que é público. O Museu sobrevive com o mínimo de recursos do Estado.”

Ela lembra que até mesmo o público chegou a contribuir com “vaquinha” para ajudar na manutenção do museu, e disse que tragédias dessa dimensão podem ocorrer em outras instituições que vivem na mesma situação. “São incêndios e tragédias que não são ainda mais frequentes nem sabemos porquê. Na adversidade vivemos e as universidades fazem muito e muitíssimo com muito pouco.”

Por | 2018-09-03T19:40:22+00:00 set 03, 18|

Sobre o Autor:

Marcio Pochmann é pesquisador no Centro de Estudos Sociais e Economia do Trabalho (Cesit) , professor titular no Instituto de Economia (IE) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e presidente da Fundação Perseu Abramo. Atuou como pesquisador junto às universidades italiana, francesa e inglesa. Foi presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) e Secretario do Desenvolvimento, Trabalho e Solidariedade da Prefeitura de São Paulo e consultor em instituições nacionais e internacionais. Foi candidato a prefeito de Campinas em 2012 e 2016 pelo PT. Marcio tem mais de 50 livros publicados nas áreas de políticas públicas, mercado, economia e sociedade.

Deixe um Comentário