A POBREZA AVANÇA

O Brasil vem passando por um processo de desindustrialização, que gera desemprego. Além disso, nos últimos 2 anos, tivemos um conjunto de reformas impostas pelo governo Temer, que foi contra o povo brasileiro, principalmente, os mais pobres. Já são quase 28 milhões de desempregados.

No primeiro ano do governo Temer, a taxa nacional de pobreza foi 2,3 vezes superior a registrada em 2014. Com 11,8% da população vivendo abaixo da linha monetária de pobreza extrema no ano de 2017, o país retroagiu 12 anos no tempo, voltando à realidade vigente em 2005.

Com a queda seguida do PIB per capita, acrescida do aumento na mortalidade infantil em 2016, só falta encolher a expectativa média de vida para Temer conseguir completar o ciclo completo do retrocesso brasileiro no Índice de Desenvolvimento Humano da ONU.

A esperança é que nas eleições deste ano o povo vai decidir se quer a continuidade dessa política ou vai abrir a possibilidade de voltarmos a crescer, porque o Brasil é um país que tem um enorme potencial para expandir sua economia, fortalecer o mercado interno, elevar o emprego e melhorar muito a vida do seu povo.

Por | 2018-07-23T13:07:08+00:00 jul 23, 18|

Sobre o Autor:

Marcio Pochmann é pesquisador no Centro de Estudos Sociais e Economia do Trabalho (Cesit) , professor titular no Instituto de Economia (IE) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e presidente da Fundação Perseu Abramo. Atuou como pesquisador junto às universidades italiana, francesa e inglesa. Foi presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) e Secretario do Desenvolvimento, Trabalho e Solidariedade da Prefeitura de São Paulo e consultor em instituições nacionais e internacionais. Foi candidato a prefeito de Campinas em 2012 e 2016 pelo PT. Marcio tem mais de 50 livros publicados nas áreas de políticas públicas, mercado, economia e sociedade.

Deixe um Comentário